Apresentação oficial do anuário “O Turismo em 2013”

É hoje, dia 11 de abril, oficialmente apresentado em Lisboa, o anuário “O Turismo em 2013” – edição que projecta as tendências do sector a nível nacional e internacional.

IPDT2013

Este anuário, produzido pelo IPDT – Instituto do Turismo, responde às perguntas: Quais os desafios actuais para o turismo? Que influência tem a conjuntura económica no sector? Qual o perfil do turista em 2013? A sessão de lançamento do anuário decorre às 11h00, no hotel Tivoli Lisboa, e conta com a presença e intervenção do secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes.

Pelo sétimo ano consecutivo,a publicação tem o Alto Patrocínio da Presidência da República. O anuário publica, ainda, o Barómetro Anual Academia do Turismo, inquérito realizado a um painel composto por mais de uma centena de decisores do Turismo nacional sobre as perspectivas de crescimento do sector, em Portugal, durante o presente ano. As conclusões são apresentadas durante o lançamento da publicação.

Turismo em Angola em destaque

O anuário integra também um dossiê especial dedicado ao turismo em Angola com o Plano Diretor do Turismo, que define coordenadas até 2020. A publicação aponta ainda os desafios com os quais o desenvolvimento do turismo na região se depara. Pedro Mutinde, Ministro da Hotelaria e Turismo, Jaime Freitas, do grupo COSAL – empresa do sector automóvel – e Saydi Carlos Alberto, do Banco Angolano de Investimento, são alguns dos especialistas que avaliam o tema.

A publicação conta com diversos artigos de opinião, que focam as grandes tendências do sector à escala nacional e global. Taleb Rifai, secretário-geral da Organização Mundial de Turismo, Francisco Calheiros, da CTP José Manuel Esteves, da AHRESP, Cristina Siza Vieira, da AHP, e Pedro Costa Ferreira, da APAVT, são alguns dos profissionais que comentam assuntos como a influência da conjuntura actual no turismo e os novos desafios com os quais o sector se depara.

(fonte /publituris.)

Publicado em Notícias | Publicar um comentário

Alentejo investe 3,3 M€ em 12 unidades de turismo rural

O distrito de Beja, no Alentejo, vai ganhar 11 novas unidades de turismo rural, enquanto uma outra se encontra em remodelação, num investimento total de 3,3 milhões de euros, que vai dotar o Alentejo de 180 novas camas.
No total, as 12 unidades espalham-se por seis concelhos do distrito de Beja, nomeadamente quatro em Ferreira do Alentejo, duas em Ourique e outras duas em Almodôvar, enquanto as restantes três se localizam nos concelhos de Aljustrel, Castro Verde e Odemira. Já a unidade que se encontra em remodelação localiza-se em Almodôvar.
De acordo com declarações à Lusa de David Marques, presidente da Esdime – Agência para o Desenvolvimento Local do Alentejo Sudoeste, os 12 projectos encontram-se já aprovados e vão motivar um investimento de 3,3 milhões de euros, co-financiados em 1,9 milhões de euros pelo Eixo Leader do Proder.
Os projectos dividem-se pelas categorias de alojamento Casa de Campo e Agroturismo, permitindo “aumentar consideravelmente” a oferta de alojamento em espaço rural nestes concelhos alentejanos.
Com as 12 novas unidades, a oferta de turismo rural no Alentejo aumenta exponencialmente, com o número de camas a duplicar, passando das actuais 90 camas para 180, de acordo com David Marques.
Ferreira do Alentejo será o concelho que maior número de camas vai receber, num total de 78, seguindo-se Almodôvar, que vai ganhar 36 camas, Ourique, que terá mais 24, Aljustrel, com mais 18 camas, enquanto Castro Verde e Odemira ganham 12 novas camas.
O maior investimento, num montante de 300 mil euros por cada unidade, diz respeito a três das unidades em construção em Ferreira do Alentejo, enquanto o menor investimento diz respeito à unidade em construção em Aljustrel, num total de 209 mil euros.

Publicado em Notícias | Publicar um comentário

“As Linhas de Torres” – Estreia na RTP1, dia 31 de março às 22H00

Linhas_de_Wellington_Valeria_Sarmiento

“As Linhas de Torres” retrata um dos mais dramáticos e determinantes acontecimentos da História portuguesa e europeia.

Com argumento original de Carlos Saboga, “As Linhas de Torres” conta com um leque fascinante de atores, onde se destaca um elenco português de luxo e a participação especial de grandes figuras do cinema internacional, tais como Michel Piccoli, Catherine Deneuve, John Malkovich e Isabel Huppert.

Em 27 de Setembro de 1810, as tropas francesas comandadas pelo marechal Massena são derrotadas na Serra do Buçaco pelo exército luso-britânico do general Wellington. Apesar da vitória, portugueses e ingleses retiram-se diante do inimigo, numericamente superior, com o objetivo de o atrair a Torres Vedras, onde Wellington fez construir linhas fortificadas dificilmente transponíveis.

Simultaneamente, o comando anglo-português organiza a evacuação de todo o território compreendido entre o campo de batalha e as linhas de Torres Vedras, numa gigantesca operação de terra queimada, que tolhe aos franceses toda a possibilidade de aprovisionamento local.

Este é pano de fundo na nova série da RTP1 – As Linhas de Torres. Realizado por Valeria Sarmiento, realizadora de mais de uma dezena de filmes e companheira do cineasta chileno Raúl Ruiz.

Episódio 1 de 3
Após o fracasso das tentativas de Junot e de Soult em 1807 e 1809, Napoleão Bonaparte enviou um poderoso exército, comandado pelo marechal Massena, invadir Portugal em 1810.Os franceses penetraram sem dificuldade até ao centro do país onde os aguardavam as forças luso-britânicas chefiadas pelo General Wellington.

Título Original: As Linhas de Torres
Com: Nuno Lopes; Soraia Chaves; Marisa Paredes; John Malkovich; Carloto Cotta; Victória Guerra; Afonso Pimentel; Filipe Vargas; Adriano Luz; João Luís Arrais; Albano Jerónimo; Gonçalo Waddington; Catherine Deneuve; Maria João Bastos; Paulo Pires
Realização: Valeria Sarmiento
Produção: Marginalfilmes
Autoria: Carlos Saboga
Ano: 2012

Publicado em Notícias | Publicar um comentário

Lisboa disputa título de melhor destino europeu do ano

MAP-JPEG

É a 4.ª edição do troféu European Best Destinations (melhores destinos europeus) promovido por uma “organização sem fins lucrativos de consumidores e especialistas” com sede em Bruxelas e que se dedica a “avaliar produtos e serviços”, a European Consumers Choice.

Nas três edições anteriores, os votos sorriram ao turismo português: Lisboa venceu logo no primeiro ano, em 2010, e o Porto venceu em 2012 – pelo meio, houve vitória para Copenhaga.

A capital portuguesa concorre à distinção ao lado de mais 19 cidades candidatas, escolhidas por um “júri de especialistas em Turismo” entre “as mais visitadas do continente”, incluindo Amesterdão, Istambul, Madrid, Barcelona, Berlim, Londres, Paris, Roma ou Praga.

A votação online decorre desde 1 de Março e prolonga-se até dia 22. Para votar, basta aceder ao site e clicar na cidade preferida (“um voto por pessoa”, informam)
ou aceder através da imagem seguinte:LisbonA cidade vencedora terá direito a uma página de promoção no site da ECC e a divulgação do resultado da votação em vários meios de comunicação europeus. Além disso, a vencedora poderá usar o logótipo “Escolha do Consumidor Europeu” em toda a sua comunicação institucional durante um ano.

(Público 05.03.2013)

Publicado em Notícias | Publicar um comentário

OPINIÃO – Deolinda Folgado

O Portugal Futuro  

O portugal futuro é um país
aonde o puro pássaro é possível
e sobre o leito negro do asfalto da estrada
as profundas crianças desenharão a giz
esse peixe da infância que vem na enxurrada
e me parece que se chama sável
Mas desenhem elas o que desenharem
É essa a forma do meu país
e chamem elas o que lhe chamarem
portugal será e lá serei feliz
Poderá ser pequeno como este
ter a oeste o mar e a espanha a leste
tudo nele será novo desde os ramos à raiz
à sombra dos plátanos as crianças dançarão
e na avenida que houver à beira-mar
pode o tempo mudar será verão
Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz
Mas isso era o passado e podia ser duro
Edificar sobre ele o portugal futuro 

      Ruy Belo, Obra Poética, vol.1, 1984

Sobre a matriz Portugal, o sentir palpável nas palavras do poeta Ruy Belo remete para o futuro. Esse Portugal é também a matriz com que teremos de trabalhar, uma matriz a melhorar, a moldar, a matéria-prima. Esse ímpeto de construção e de acreditar que é possível acrescentar mai-valia através dos projectos no âmbito do curso “Empreendedorismo em Turismo Cultural e Paisagístico” foi uma das características desta intensa formação. Mensagem amplamente transmitida pelas presenças mais constantes da Cristina Almeida, do Rui Ferreira, do Pedro Prista e do Carlos Andrade. Com todos crescemos, porque de partilha de ideias se tratou. 

Deolinda Folgado, 7.03.2013

Publicado em Opinião | Publicar um comentário

Escolas desactivadas transformadas em pequenas pousadas na Lourinhã

Escolas desactivadas da Abelheira, Papagovas, Toledo e Toxofal, após obras de reabilitação, vão ser arrendadas para turismo por dez anos.

A ler mais no Público

A ler no Diário de Notícias

Publicado em Notícias | Publicar um comentário

“Empreendedorismo em Turismo Cultural e Paisagístico” – Comunicação de André Jordan

Empreendedorismo em Turismo Cultural e Paisagístico
26 de Fevereiro de 2013 – Grande Auditório do ISCTE-IUL

André Jordan

Antes de entrar no tema que me foi designado “A Contribuição do Turismo para o Crescimento Económico”, gostaria de referir a intensa actividade do ISCTE no estudo e no debate relacionado com o desenvolvimento económico e a internacionalização da economia portuguesa.

Tenho a honra de fazer parte do Conselho Geral desta casa, que é a universidade cujas finanças são as mais equilibradas de todas as escolas superiores do país,  e dada a sua enfase no Turismo, mais uma componente, a da Educação, para a contribuição do Turismo para o desenvolvimento económico.

Tenho assistido nestes tempos de crise ao debate da austeridade versus desenvolvimento económico.

Como empresário, a minha interpretação de austeridade é a de economia de meios, da optimização dos recursos, materiais e humanos, do melhor emprego do tempo e do dinheiro para atingir uma boa produtividade, é a competitividade de preço e qualidade, é a contenção das remunerações das chefias com o objectivo de estreitar o leque salarial e é uma fiscalidade que não seja castradora do investimento. Também imprescindível é um aparelho estatal ágil e comunicativo.

Naturalmente a situação que vivemos tem razões que ultrapassam os factores acima citados, com raiz na orgia creditícia consequência da ausência de regulação e controlo dos mercados financeiros aos quais foi permitido fabricar dinheiro.

Não fosse esse último factor a crise do subprime teria ficado confinada ao sector imobiliário, sem contaminar toda a economia mundial.

Em Portugal, a premente necessidade de desenvolvimento económico é respondida com retórica; re-industrialização, aumento das exportações, energias alternativas, agricultura e outras quimeras que, não obstante o seu interesse, levarão muitos anos para terem impacto significativo no PIB e no emprego.

O único sector capaz de, a curto prazo, gerar receitas que sirvam para combater o desemprego e reestimular a economia é um que está nas nossas mãos accionar – o Turismo e a sua actividade subsidiária do Turismo Residencial.

Tem sido notável ao longo de 5 anos de crise a inércia que tomou conta deste sector, seja do lado privado seja do lado estatal, quando temos à nossa disposição uma infra-estrutura turística e residencial construída e com qualidade suficiente para disputar os mercados tradicionais e emergentes.

Portugal dispõe de factores essenciais para competir no mercado, tais como o clima, a gastronomia, a hotelaria e os serviços, bem como uma população civilizada e hospitaleira, o que resulta num dos mais altos índices de segurança entre os países da OCDE, facto nada desprezível nos tempos que correm.

A tudo isto se aliam preços muito competitivos, infelizmente actualmente competitivos demais o que por si só não tem sido argumento suficiente para obtermos altos índices de ocupação.

Já há alguns anos tenho procurado demonstrar que o estilo português- “The Portuguese Style” – representa, na actual conjuntura mundial, uma atractividade acrescida dada a necessidade e a vontade de importantes segmentos do nosso mercado natural, que é a classe média e a classe média/alta, de adoptar um estilo discreto que encontra dentro do nosso país condições favoráveis de conforto, bom gosto e cultura.

Onde é que falhamos?

Na falta de promoção, marketing e vendas.

É notória a pouca inclinação dos portugueses para vender, e a pouca compreensão no que respeita a avaliação do custo/benefício das despesas e investimentos necessários nesta área. Temos pouca expertise nestes temas e somos exageradamente económicos para recorrer ao know-how especializado externo.

Esta é uma área em que o barato sai caro, e quando a promoção é realizada com conhecimento pode haver uma optimização dos recursos.

Gostaria de dar como exemplo o crescimento exponencial de dois mercados que há 20 anos praticamente não existiam, e que hoje são concorrentes directos que absorvem uma parte substancial dos nossos potenciais clientes. Refiro-me a Marrocos, em especial Marraquexe, e à Turquia, e como exemplo cito o golfe.

Há 20 anos atrás em Marrocos havia 4 campos de golfe, e o seu mercado era essencialmente francês, actualmente existem 30.

O caso turco é ainda mais dramático. Há 20 anos não existia nem um campo de golfe.

Naquela altura fomos visitados na Quinta do Lago por um promotor imobiliário turco que manteve uma longa conversa sobre as técnicas comerciais desenvolvidas pela nossa organização com o então Director de Golfe José Lisboa. O resultado é que esse senhor implantou o golfe em Antalya, onde existem actualmente 17 campos e mais algumas dezenas por todo o país. Ainda há poucos dias, numa reunião em Londres com a PGA European Tour, tive a confirmação de que a Turquia tinha baseado na nossa organização a sua estratégia em relação ao desenvolvimento deste desporto.

Desde 2005 que tenho verificado que pelo sistema comercial que trabalhamos não temos registo do contacto dos milhões de golfistas que já passaram pelos campos portugueses e venho propondo a vários níveis, sejam das organizações privadas seja das autoridades do Turismo, a implementação de um esquema de fidelização “Loyalty card”, à semelhança das entidades hoteleiras, de aviação, e hoje em dia até supermercados e grandes lojas.

Permitimos o aparecimento de uma concorrência feroz, vital para a ocupação turística do Algarve no Inverno, situação agravada pela imposição do IVA a 23%, e temos que reagir com inteligência e rapidez, o que até agora não tem acontecido.

Quanto ao outro problema que tem tido algumas soluções parciais patrocinadas pelo Turismo de Portugal é a falta de conexões aéreas com importantes centros emissores de turistas de toda a Europa. Espero que os novos donos da ANA sejam sensíveis a esta preocupação.

No que se refere às medidas fiscais e de ordem legal quanto à atracção de novos residentes para Portugal temo que as acções em curso tais como o “Visto Dourado” e certas concessões de ordem fiscal venham a ser prejudicadas por acções similares de outros países concorrentes aos mesmos mercados.

Todas estas medidas são instrumentos e não motivadores da vontade das pessoas de viverem ou visitarem Portugal.

O importante é que através de uma divulgação inteligente que transforme Portugal atractivo, onde as pessoas queiram passar parte ou todo o seu tempo, um país cuja imagem transmita a ideia de elegância, da qualidade e da cultura, um país que seja um refúgio ao turbilhão do caos urbanístico, da insegurança e que apresente a imagem da estabilidade política, social e económica é o estatuto que devemos almejar.

Há 40 anos atrás, quando criámos a Quinta do Lago, juntamente com uma equipa exclusivamente constituída por portugueses, politica que sempre segui até aos dias de hoje, formando sucessivas vagas de profissionais e quadros, conseguimos atrair, transmitindo e divulgando os conceitos aqui expostos uma clientela selectiva e qualificada através da qual também chegaram a Portugal investimentos em outras áreas, motivados pelo conhecimento e afeição que desenvolveram em relação ao nosso país.

O valor presente dos empreendimentos realizados  pelo nosso Grupo é estimado em 4 mil milhões de euros.

Antes de terminar quero fazer uma referência ao tema que rege esta conferência, ao referir a importância inegável da cultura para o turismo. Diria mesmo que é uma das áreas mais rentáveis que podemos desenvolver em várias vertentes.

Cito aqui não só o grande sucesso da exposição da Joana Vasconcelos em Versailles como também uma experiência que tive com a minha mulher num táxi em Roma, quando passando por uma zona com muitas ruinas ela comentou “Não sabia que havia tantas ruinas em Roma”  e o taxista virou a cabeça para trás e disse “Signora, questo e nostra fortuna”.

Tenho o prazer e a honra de ser membro do Conselho de Administração da Fundação de Serralves. Recentemente o Presidente da Fundação, Luís Braga da Cruz, encomendou à Universidade do Porto um estudo sobre a relevância de Serralves para a economia.

Os resultados são impressionantes. Serralves vale 40 milhões de euros para o PIB, contribui para a criação de 1296 empregos e conta com 96 colaboradores, recebe 4 milhões de euros de apoio estatal (49% da sua receita) sendo o restante receitas próprias e contribuições privadas e contribui com quase 11 milhões de euros para a receita fiscal. Recebeu em 2011 perto de 500.000 turistas pagantes.

Na apresentação deste trabalho, o Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, fez uma importante comunicação da qual cito:

“O desenvolvimento não se faz só com capital ou com recursos humanos”, diz Carlos Costa; exige também, por exemplo, atitudes de respeito e confiança pelos outros. Há momentos na vida das sociedades em que esses substratos são sujeitos a “fracturas culturais que introduzem novas normas sociais”. E, neste processo de transformação, as instituições culturais assumem um papel primordial”.

… “entre as instituições inertes, as que se visitam, e as que interagem com o meio envolvente.” Ou, por outras palavras, “entre as que produzem cultura e as que a conservam. Serralves está na primeira categoria, precisou.

A influência da cultura no dinamismo económico acontece, de acordo com o pensamento de Carlos Costa, quando os artistas e as instituições culturais são capazes de promover “contextos de criatividade” ou “um ambiente de inquietude intelectual”. Porque, precisa, “não há transformação económica no meio da apatia”.

Encerro para dizer que a Fundação de Serralves foi constituída através de um modelo criado pela então Secretária de Estado da Cultura, Teresa Patrício Gouveia, implementado pelo então seu Presidente, João Marques Pinto, pela qual 175 empresas e instituições privadas portuguesas fazem parte do Conselho de Fundadores, através do qual foi possível desenvolver a Instituição ao nível de qualidade e prestígio de que hoje disfruta. Para além disso, algumas instituições financiam actividades de Serralves, principalmente pelo apoio de dois grandes beneméritos da Instituição que são Artur Santos Silva e Belmiro de Azevedo.

É importante assinalar através destes exemplos a contribuição proactiva do sector empresarial privado à cultura e às artes. 

26.02.2013

 

Publicado em Sessões | Publicar um comentário